domingo, 9 de junho de 2013

Carmen Viana - Denuncia Contra Ela - Cidade de Galesburg nos EUA - Indústrias Wittek - Tradução

Reportagem Original dos EUA:
1] http://www.register-mail.com/special_sections/wittek1.shtml
3] http://www.register-mail.com/special_sections/wittek3.shtml

Reportagem Especial  Register Mail

Carmen Viana veio a Galesburg em 1990 para ajudar a abrir as Indústrias Wittek, uma empresa de fabricação de braçadeiras. Na foto acima na planta, ela usa um de seus 13 casacos de pele


[FRED Zwicky / The Journal Star - Quando Wittek veio para a cidade - Por Devin Hogan, Equipe Notícias Knox]

- "A história de uma cidade com sede de postos de trabalho, uma empresa que fabricava braçadeiras para mangueiras e uma CEO brasileira chamativa que levou a empresa para a falência" -

A neve caiu sobre a multidão que serpenteava fora do auditório da Universidade Carl Sandburg , em Galesburg. Era 01 de dezembro de 1990. Alguns tremiam, alguns vieram de muletas. Todos eles estavam procurando emprego. Um anúncio no jornal local do dia anterior dizia: "Por favor, junte-se ao Nosso Diretor de Recursos Humanos para ver o que o futuro reserva para você!" Em nada mais do que uma promessa vaga, 1.000 pessoas esperaram até que o entrevistador de uma empresa chamada Wittek chegou às 9 horas. A Wittek Indústrias era uma empresa sofredora, fabricante de braçadeiras para mangueiras de Chicago, que estava pensando em consolidar as suas três operações em um único local - Galesburg - para cortar custos. Representantes da empresa vieram sem recursos suficientes para todos que estavam na fila, mas os funcionários da Câmara de Comércio de Galesburg estavam à disposição para ajudar. Eles copiaram novos questionários, até que acabou o toner em sua nova copiadora. Até o final do dia seguinte, 4.000 pessoas haviam se inscrevido para o que eram apenas 400 postos de trabalho em potencial.

Galesburg estava desesperada por esperança, e Carmen Viana, chamativa CEO brasileira da Wittek, entregou. Ela trouxe a Galesburg o vislumbre de um futuro estável - e um toque de classe. Viana era escura e curvilínea, com os cabelos pretos e lisos precisamente puxados para trás. Ela tinha 41 anos quando se tornou CEO em 1990. Viana tinha um sotaque exótico, 13 casacos de pele, óculos de sol grandes, praticante de vodu e um charme que tornou difícil  dizer-lhe não. Galesburg mergulhou antes de olhar para o seu currículo vazio.

Os tempos eram difíceis em Galesburg. Em 1984, as operações do armazém da Outboard Marine Corporation, um dos maiores empregadores da cidade, foram terceirizados para o México e Mississippi. 2500 vagas de emprego desapareceram. Nove meses mais tarde, o estado fechou o Centro de Saúde Mental de Galesburg, um grande hospital psiquiátrico empregando 900 pessoas. Despreparados para as perdas, os fornecedores locais posteriormente se renderam e os negócios de varejo da cidade, mercado imobiliário, base de taxas e as escolas foram devastadas. Galesburg estava em declínio constante. Carros locais utilizavam adesivos com a famosa frase: "A última pessoa em Galesburg poderia, por favor, apagar as luzes?"

Tentando afastar a ruína econômica, a cidade construiu um parque industrial na periferia da cidade, completa com ruas, esgotos e luzes, e esperou os negócios. Mas ninguém veio. Logo residentes estavam tão desesperados por empregos que a cidade entrou na corrida para construir uma prisão de segurança média, uma idéia anteriormente impopular. Galesburg doou o parque industrial vago para o Estado, e em 1986, o Centro Correcional Henry C. Colina na borda sudoeste da cidade. No entanto, Galesburg continuou a lutar.

Em seguida, Viana veio para a cidade.

Era uma mistura explosiva. Galesburg estava procurando uma solução e tinha o prédio da OMC ainda vago para locação. Os líderes da cidade sabiam que a Wittek tinha 45 dias para consolidar -se ou ir à falência. Os negócios de Galesburg e líderes políticos tinham que se beneficiar e assim também Viana. Apesar das bandeiras vermelhas, a esperança ofuscou a cautela. O desespero justificou as más decisões. Com o primeiro anúncio da Wittek, Wittek aproveitou a vantagem e manteve até o amargo fim. Galesburg estava flertando com o desastre. E aos líderes da cidade, hoje, a experiência Wittek deve anunciar tanto uma mensagem e um aviso.

Em vez disso, a história pode estar se repetindo. Em 2002, Maytag Refrigeração, o maior empregador de Galesburg, anunciou que estava mudando sua fábrica para o México. Agora que a empresa partiu, líderes empresariais e políticos locais estão novamente procurando uma solução. E, estranhamente, um outro parque industrial vazio fica esperando no lado sudeste da cidade, à espera de inquilinos. Esta é uma história de promessas e promessas quebradas. A mesma história ocorreu cidade após cidade durante todo o moderno, pós-industrial  Centro-Oeste . Aconteceu que o salvador de Galesburg industrial veio para a cidade em salto altos de cinco polegadas.

Viana se torna proprietário improvável de Wittek

Os eventos que levaram Wittek até o colo de Carmen Viana começaram em um show de barco, em meados dos anos 1980. Viana era dona de uma empresa que importava produtos baratos do Brasil, e ela esperava vender alguns insufláveis de vinil que tinha em seu estoque para serem utilizados como lastro em barcos. No show, ela tentou fazer um acordo com um empresário da Flórida chamado John Darrah, que tinha feito dinheiro durante a aquisição alavancada dos anos 80 e possuía várias empresas, incluindo a fabricante do barco e Wittek. Como os produtos de Viana fabricados no Brasil não tinham a classificação ISO 2000, um padrão de segurança internacional exigido pelas leis americanas, ela nunca foi capaz de forjar uma parceria de negócios com Darrah, mas eles mantiveram contato e um tipo diferente de parceria surgiu.

"Naquele tempo, eu me apaixonei", disse Viana no Brasil, onde agora vive e é incapaz de sair devido a mandados de prisão nos Estados Unidos em conexão com suas relações com Wittek. Darrah, uma figura proeminente em Panama City, na Flórida, é cauteloso sobre o relacionamento, apenas dizendo: "Você acredita nas coisas que você quer." O grisalho, belo empresário fala com um charme autodepreciativo irreverente faz você se sentir como se tivessem sido amigos toda vida .

Darrah tinha adquirido recentemente Wittek. A empresa fazia braçadeiras, que são encontradas sempre que uma mangueira de borracha faz uma conexão. Charles Vitek, o fundador da empresa, inventou o grampo - uma fita larga de um quarto de polegada fina de aço inoxidável com um conjunto de parafuso nivelado para apertar - em 1917. Ele logo vendeu a companhia para seu irmão, que começou o nome Wittek Industrias, aparentemente um jogo em seu sobrenome. As Braçadeiras Wittek foram usadas em aviões famosos, como o Espírito de Charles Lindberg de St. Louis, P-51 Mustang do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial e da NASA nas missões Apollo. Os grampos também foram utilizados em máquinas de lavar e geladeiras, inclusive os fabricados pela Maytag.

Depois Wittek inventou e patenteou a braçadeira pós-drive, onde o parafuso é perpendicular à tira do grampo, as montadoras se tornaram o maior cliente da empresa. O armamento para parafuso na linha de montagem de automóveis que permitiu perfurar para baixo sobre o grampo pós-drive para apertar ao invés de perfuração paralela como nas braçadeiras. Essa perfuração em linha reta para baixo no pós grampo garantia eficiência e economia de tempo, porque eles não escorregavam.

Durante o relacionamento de Viana e Darrah, duas das cinco usinas no mundo que produziam o aço fino necessário para grampos Wittek fecharam e os custos da Wittek começaram a disparar. "Em uma semana passamos de fazer um lucro para quebrar mesmo", diz Darrah. "Na semana seguinte, estávamos no buraco." As três grandes montadoras se recusaram a pagar mais pelos grampos, de modo que Darrah cortou salários no Wittek por 46 centavos por hora e terminou o período de férias, verbas rescisórias e do plano de pensão para tentar se manter à tona.

Viana recebe as rédeas da Wittek

"Um dia ele me chamou", lembra Viana. Foi em 1988. "Eu lembro que eu tinha acabado de ter um ataque cardíaco. Ele me ligou no escritório do médico naquela manhã." Eu sei que você deseja comandar uma indústria americana e eu tenho uma empresa, e com a sua coragem eu tenho certeza que você pode recuperá-la." Viana concordou em ajudar.

"Ele me deu a empresa, porque ele tinha US $ 500.000 de garantia pessoal do empréstimo", diz ela. "Tudo o que ele queria era alguém para passar o negócio, (mas) quando cheguei lá, percebi que a companhia estava longe de morrer. Oitenta e sete peças para carros Ford eram feitas pela Wittek. Oitenta e sete peças da Ford estavam em nossas mãos ". Viana negociou pagamentos diferidos com fornecedores da Wittek. "No mês em que eu estava lá, começou a ter lucro. Eu disse, 'Eu quero ser CEO' -. Lembre-se que era eu e ele contra o mundo - '. Vá em frente' e ele disse: Eu queria provar a ele o quão grande eu era. "

Dois anos depois, a Chrysler decidiu dar a Wittek um empréstimo para consolidar a sua oferta de grampos. Ford e General Motors já haviam investido dinheiro para mudar para outros conectores em vez do grampo, porque a Wittek não tinha sido muito confiável nos últimos anos. As outras montadoras ainda compravam vários grampos de Wittek e se beneficiariam com a ajuda da Chrysler, mas a Chrysler,não tinha escolha, entretanto. Uma empresa confiável poderia atrasar a produção - o pesadelo de uma montadora. Chrysler também iria mudar, mas até então ela precisava da braçadeira de pós-drive que a Wittek tinha. Chrysler ofereceu-se para assumir a dívida da Wittek da General Electric, um cliente que havia financiado com empréstimos anteriormente da Wittek com Darrah, apesar de que Viana não tinha nenhuma experiência na indústria automobilística e poucos anos com problemas com a sua própria empresa de importação.

"Chrysler acreditava nela", Darrah disse: "assim eu deixei."A maior estipulação da Chrysler, no entanto foi: Viana não foi autorizada a participar nas negociações. "Eles fizeram um negócio que eu não podia recusar", disse ela. Os documentos foram assinados no início de 1990 e ela tornou-se a única proprietário da Wittek Industries. "Eu chamo de controle de danos", diz Darrah. "Foi a alternativa menos pior".

Em troca de um empréstimo de US $ 3 milhões, Chrysler hipotecou três propriedades da Wittek por US $ 4 milhões e deu à empresa um mês para consolidar a sua operação. Wittek fechou e vendeu ativos em Pineville, NC, a fábrica de Chicago, e sua sede que fica nos arredores da cidade, em LaGrange Park. A empresa decidiu procurar um novo local fora da área de Chicago para um aluguel mais barato e eletricidade e uma força de trabalho não sindical. Apenas uma dúzia de cargos de nível superior passaria com a empresa. No início de 1990, Wittek começou a pesquisa.

Wittek encontra casa em Galesburg

Wittek Indústrias e Carmen Viana conheceram a cidade de Galesburg graças a um homem chamado Jay Hedges. Um homem alto, Hedges primeiro deparou-se com Galesburg, quando ele era diretor do Departamento de Illinois de Comércio e Assuntos Comunitários, a agência estatal de desenvolvimento econômico poderoso. Quando o estado fechou o hospital psiquiátrico de Galesburg em 1985, Hedges atribuíu a cidade uma doação de US $ 1,5 milhões para reabilitar o local.

Em 1990, Hedges havia deixado o emprego do estado e foi consultar com o grupo de Alter, um corretor imobiliário comercial em upscale Winnetka, que Wittek contratou para escrever um novo plano de negócios e encontrar um novo edifício. Porque é necessário financiamento estatal e local para o movimento, Alter enviou Hedges para atender a equipe de gestão da Wittek em LaGrange Park. "Eu estava intrigado com isso, porque eu podia ver o valor que eu poderia acrescentar. Uma unidade poderia reduzir seus custos operacionais e despesas gerais", disse Hedges do café local Peoria, onde ele se encontra com seus amigos do empresário alguns dias por semana. Ele agora é dono de uma empresa de janelas no sul do estado.

Quando Hedges conheceu a CEO, diz ele, que ele ficou "um pouco assustado" por sua aparência. "Ela estava muito maquiada e sobre vestida, e sempre usava esses saltos altos. Ela alegou que ela tinha sido uma ex-Miss Brasil, ou algum tipo de rainha da beleza, (mas) ninguém poderia realmente documentar isso. Eu meio que sabia que ela era uma mentirosa psicopata porque as pequenas coisas que eu conhecia que não eram verdade, ela apenas inventava  em reuniões com as pessoas." Mas essas pequenas coisas, aparentemente não levantaram bandeiras vermelhas para ele. Depois de terminar o plano de negócios, ele folheava seu Rolodex e encontrou contatos em cidades com antigos hospitais psiquiátricos do estado. Ele sabia que essas cidades teriam o dinheiro da concessão já que ele tinha ajudado a fornecê-lo, e ele também sabia que teriam a necessidade de postos de trabalho.

Em 29 de novembro de 1990, uma semana após o feriado, Hedges foi chamado em Galesburg no Conselho de Desenvolvimento Econômico e descobriu que a cidade teve um edifício desocupado. Quando ele contou a Viana, ela disse que era o tamanho perfeito e prontamente fretou um avião para levá-los para Galesburg. Eles visitaram o antigo prédio do MAC em 519 McClure St., com 228 mil metros quadrados, laranja e marrom de alumínio que tinha estado vazio desde 1984. "Havia cerca de três centímetros de sujeira de pombos no chão", lembra Hedges. "Os pássaros tinham acabado de assumir esse prédio porque tinha sido abandonado.

Limpar o material perigoso teria custado Wittek US $ 30.000, mas Galesburg enviou os varredores de rua da cidade fazer o trabalho gratuitamente logo após a turnê. No dia seguinte Wittek executou o anúncio em alguns jornais para testar o mercado de trabalho local. No dia seguinte, os milhares de candidatos ao emprego esperavam na fila na neve. Os executivos da Wittek ficaram impressionados com a participação, por isso Hedges iniciou negociações mais sérias.

Fácil de dizer sim...

"Eu escrevi a concessão (propostas de Galesburg) e apresentei o projeto de uma maneira honesta, mas de uma maneira que o tornava muito atraente", diz ele agora. "Eu a embalei de uma forma que foi fácil para eles dizerem sim", usando o dinheiro que sobrara da concessão do hospital psiquiátrico que tinha que ser gasto ou devolvidos ao Estado. Galesburg lançaria US $ 300.000 para trazer Wittek para a cidade. Knox County e a EDC também iriam dar US $ 50.000 cada, para um total de US $ 400.000.

"Foi uma tentativa muito legítima a criação de três ou quatro centenas de postos de trabalho, mas um empreendimento de alto risco", disse Hedges. E, como ele havia calculado, o quão alto o risco parecia ter pouca importância para os líderes da cidade. Em vez disso, a cidade agiu rápido devido à concorrência. Não só Wittek estava quase na falência, mas também estava olhando para Cameron, Missouri, que se ofereceu para alugar um prédio de 109 mil metros quadrados em US $ 1 o metro quadrado por ano, durante cinco anos, e livre para os próximos cinco anos. O estado de Missouri jogaria em 400,000 dólares para despesas de mudança. Em meados de dezembro de 1990, Galesburg concordou em fazer um acordo. John Pritchard, proprietário de uma cadeia de emissoras de rádio locais e do ex-presidente da EDC, agora, diz que ficou surpreso com o quão rápido o então novo prefeito de Galesburg, Fred Kimble, atirou o chapéu da cidade na corrida. "Ele meio que pulou na frente de nós e nós não conseguimos fazer o nosso trabalho por completo", diz Pritchard. "Tenho certeza que não, passamos  tempo bastante verificando o histórico de Carmen."

Se tivessem, eles teriam descoberto que Viana não sabia nada sobre o delicado equilíbrio da indústria automobilística e que sua experiência não estava em braçadeiras, mas na metafísica e espiritualidade. Como resultado, Hedges diz, o que poderia ter sido "uma chance de 20 por cento de sucesso" desceu para zero. "Isso é o que foi frustrante." "Entendemos os riscos", disse o ex-prefeito Kimble, agora diretor de desenvolvimento econômico em Westmont. "Esta era uma empresa em transição. Eles estavam em falência e tentando sair. Mesmo que fizemos frente esse dinheiro, não havia nenhuma garantia de que eles se recuperassem."

Na Parte 2, leia sobre os primeiros dias de operação da Wittek em Galesburg, estilo de vida opulento de Viana e gastos livres e como Ford, o maior cliente da Wittek, afastou-se depois de Viana negar o seu pedido de declaração de divulgação financeira.

Os Jogadores:

Carmen Viana - Tornou-se proprietária e CEO da Wittek Industrias, plantas consolidadas e se mudou para Galesburg. A empresa perdeu a sua primeira folha de pagamento e em 1993 a empresa foi despejada de sua instalação no antigo edifício da OMC em 519 McClure St. Agora vivendo no Brasil, ela enfrenta uma série de acusações criminais relacionadas com Wittek. O Brasil não permite a extradição de seus nacionais.

George Hook - Um advogado de McBride Baker e Coles em Chicago, ele conheceu Viana tempo atrás em Galesburg para uma função em Knox College. Logo depois, Hook deixou o emprego para fazer um trabalho legal para Viana e Wittek. Em um ponto, Hook estava fornecendo representação legal para Viana e Wittek em 80 ações judiciais. Dois anos após a planta fechada, Hook e Viana foram indiciados sob a acusação de lavagem de dinheiro, fraude e roubo de um plano de benefício do empregado. Hook cumpriu sete anos de prisão para os crimes.

Jay Hedges - Trabalhava para o Departamento de Illinois de Comércio e Assuntos Comunitários e ajudou a entregar uma bolsa de 1,5 milhões de dólares antes de sair para trabalhar como consultor com um corretor de imóveis, do Grupo de Alter, em Winetka. Wittek contratou o Grupo de Alter e Hedges acabou deixando esse trabalho para se tornar vice-presidente executivo de Wittek. Ao ver a escrita na parede, ele deixou antes dela falir.

John Darrah - Dono da Wittek Indústrias antes de dar a empresa, muito endividada, para Viana, em 1988. Ele comprou Wittek, que fabricava braçadeiras para mangueiras de borracha, juntamente com outras empresas no início de 1980.

Fred Kimble - Como prefeito de Galesburg, tomou a iniciativa de trazer a Wittek Indústrias para Galesburg, em 1990, que incluiu a cidade lançando $ 300.000, sobra de uma concessão do estado, para ajudar Wittek montar sua planta. Ele também era agente de seguros de Wittek. Ele é agora o diretor de desenvolvimento econômico em Westmont.

John Pritchard - Dono de emissoras de rádio locais e presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Galesburg quando Wittek veio Galesburg.
 
Parte Dois da Reportagem, original em Inglês:


Artigo Parte 2:

A cidade de Galesburg abriga fábrica de abraçadeira de mangueira em cinco semanas, Hedges entra na firma,e adiciona credibilidade.

POR DEVIN HOGAN KNOX NEWS TEAM

As Indústrias Wittek, fabricante de abraçadeira de mangueira para automóveis, estavam procurando se estabelecer na cidade de Galesburg em 1990. Os líderes da localidade estavam impressionados com as patentes da companhia e sua classificação como certificada da ISO 2000, algo raro na indústria de autopeças. As Indústrias Wittek também eram reconhecidas por uma longa história com clientes de grande nome, eram fornecedoras de Qualidade 1 para Ford – tudo isso aconteceu antes de Carmen Viana tornar-se dona da companhia. Os banqueiros locais após fazerem as contas verificaram que a Wittek poderia se estabelecer depois de alguns anos em Galesburg. Porém, Carmem Viana já tinha decidido secretamente que seria a cidade de qualquer maneira. "Fiquei com pena das pessoas que esperavam na neve, em cadeiras de rodas candidatas a um emprego", disse ela.

Carmen convidou Jay Hedges para ser seu vice-presidente executivo por volta do Natal 1990, ele exigiu um salário 125 mil dólares, um valor que ele hoje admite ter sido muito alto. Viana concordou em pagá-lo, e Hedges assumiu o cargo. O projeto finalmente ofereceu o que os líderes da cidade queriam. "Nós pensamos: Isso deve ter uma chance muito maior de sucesso do que nós esperávamos, porque este é um cara muito inteligente e ele está caindo de cabeça no projeto", disse John Pritchard, presidente da Galesburg Economic Development Corp. "Isso deu credibilidade à Carmen." No entanto, infelizmente, Hedges não tinha mais experiência com corporações do que Carmem. Ele tinha trabalhado no governo por 13 anos e estava querendo mudar de carreira. "Foi um risco que eu estava disposto a tomar", disse ele. "A IBM não estava batendo na minha porta e eu realmente queria estar trabalhando na produção", diz ele. Esta mudança na carreira de Hedges selou o acordo. Pouco antes do ano novo, Wittek assinou um contrato de 10 anos para se instalar no número 519 da rua McClure, o maior contrato de arrendamento comercial o estado de Illinois em 1990. Além da concessão 400 mil dólares, o Estado forneceu 1.2 milhões para treinar novos funcionários.

A conferência de imprensa para anunciar a mudança da Wittek para Galesburg foi uma grande produção. Carmen alugou a sala de banquete do Jumer Continental Inn, o melhor hotel da cidade, e manteve o segredo da mudança até o dia da conferência. Apenas cinco semanas se passaram entre o primeiro contato Hedges com os líderes da cidade de Galesburg e o dia do anúncio da mudança em 08 de janeiro de 1991. Viana disse aos que estavam reunidos que a Wittek pretendia expandir-se em todo o mundo, que iria entrar no ranking das top 500 empresas dos EUA (Fortune 500), e que seria o primeiro dos seus muitos feitos nos negócios. "Eu pensei: Como essa mulher tem a audácia de falar essas coisas!", disse Pritchard. "Ela está em uma situação difícil aqui, e está interessada em todas essas outras coisas?! Era um tipo de atitude agressiva que eu considerava muito extrema e fora da realidade." Mas na ocasião Pritchard não disse nada. O prefeito Fred Kimble apertou a mão de Carmem enquanto ele passava a chave da cidade para ela, uma chave de bronze. O público aplaudiu. A Wittek iniciou suas operações em Galesburg duas semanas depois.
 
Operações da Wittek em Galesburg

Para comemorar a estréia de Wittek, Viana realizou um evento black-tie no chão de fábrica. A elite local vestindo smokings conversou ao som de um quarteto de cordas, comendo canapés e tomando champanhe. Quatrocentos máquinas de metal permaneceram em silêncio, prontas para a produção na segunda-feira seguinte. "Foi o evento social da temporada", disse Hedges. "Eu estava um pouco envergonhado com a coisa toda, porque eu já tinha visto que para empresa sobreviver precisaríamos gastar com sabedoria." Porém, na época ele não se opôs.

No meio do chão de fábrica estava um Ford Mustang preto novinho em folha com um laço vermelho gigante. No final da festa Carmem deu o carro para engenheiro de produção Jim Baughman pelo seu trabalho duro para consolidar três locais da Wittek em uma única operação. Esta forma de presentear tornou-se uma ocorrência comum. De vez em quando Carmem reunia os empregados no chão da fábrica, chamava um deles para oferecer um presente extravagante.

"Havia uma senhora que trabalhou conosco que era muito pobre", lembra Roxanne Ronk, secretária de Carmem na época. "Carmen ouviu falar sobre ela e comprou uma bicicleta para sua filha. Só deu para ela. Para mim a parte cínica é que foi uma enganação de apenas 60 dólares, porque a partir de então essa menina iria dizer para todo mundo o quanto ela era boa."

Os 400 mil dólares concedidos por Galesburg foram usados para remodelar o escritório da Wittek. Wittie, o gato Himalaia raro e caro de Carmem corria ao redor da mesa de reuniões que tinha 30 cadeiras de couro de encosto alto. O escritório de Carmen tinha estátuas de gatos grandes dispostos em torno de sua mesa preta com tampo de vidro que descansava em pilares também de vidro. Tapeçarias exóticas ficavam penduradas acima do sofá de couro branco. No quarto dos fundos do seu escritório havia encanamento configurado para uma banheira de hidromassagem com capacidade para oito pessoas, mas Hedges finalmente se opôs à Carmem, quando a cidade descobriu o que estava acontecendo, a banheira nunca foi instalada...

Carmem fazia as pessoas aguardarem por ela. Fornecedores, representantes de bancos e comerciantes, tinham que esperar muito até que ela estivesse pronta para vê-los - "Ela estava sentada dentro de seu escritório tomando uma xícara de café". -  disse a ex-secretária.(Ronk) Alguns ficavam observando a decoração outros ficavam irritados e iam embora.” "Eu nunca soube o que ela dizia por trás daquelas portas", disse Hedges. "Quando ela falava por telefone com os credores aos quais devíamos dinheiro, ela fazia acordos do tipo: Perdoe 90% do que te devo, e eu te dou 10 dólares por mês pelo resto da minha vida, mas me envie um novo produto. E eles assim o faziam." "Era como uma seita," lembra Terry Tulin, ex-gerente de controle de qualidade da Wittek. "As pessoas estavam tão sobrecarregados. Ou com seus cérebros lavados."

A vida pessoal de Carmem era tão bem sucedida quanto o seu estilo de negócio. Assim que a Wittek deixou de cumprir sua primeira folha de pagamento, Carmem renovou sua oferta para comprar a antiga prefeitura. Galesburg tinha acabado um novo prédio e estava aceitando ofertas para o prédio original construído em 1906. Carmem propôs comprá-lo por 1 dólar e queria ter a cidade como financiadora de um empréstimo 100 mil dólares para ela construir para si mesma um apartamento no segundo andar. Houve muito barulho sobre o local onde ficaria o quarto principal, e ela finalmente retirou a oferta. O salário de Carmem era de 200 mil dólares por ano, mas graças aos cartões de crédito da empresa ela começou a viver um estilo de vida milionário. Ela viajava de avião todo o mês para visitar sua família em Long Island ou em Darrah na Flórida. Durante uma viagem de negócios para a Europa, ela foi a Rússia para comprar um novo casaco de pele (com desconto). Seu novo Ford Mustang preto e brilhante foi para a conta da Wittek. Suas contas de cartão de crédito chegavam 30 mil dólares por mês. Quando questionada por um jornal local sobre a origem do seu dinheiro ela respondeu: "Bem, é uma questão de percepção, eu me visto bem, eu vivo bem, eu viajo bem."

A entrada para a maior casa localizada em Oak Run – um condomínio (comunidade) em volta de um lago a 20 milhas da cidade - foi paga no cartão de crédito. Mesmo sem pagar o financiamento da casa, de alguma forma ela conseguiu um acordo para colocá-la em seu nome. Ela mantinha festas em sua casa (open house) com garçons de smoking carregando bandejas com petiscos. Um evento imperdível para os vice-presidentes.

O piso, os móveis e as paredes da casa eram brancos. Ela tinha uma biblioteca no andar de cima, repleta de literatura clássica e um grande globo. No porão ela tinha uma academia pessoal com equipamentos Nautilus, e uma pequena sala com um altar em cada canto, cada um dedicado a terra, ar, água e fogo. Esse quarto também abrigava a que se tornou a mais famosa estante de livros do condado de Knox: Livros sobre magia negra ao lado de livros sobre vodu, feitiçaria e controle da mente. Também na mesma prateleira havia um livro chamado "Como enganar o Receita Federal (Imposto de Renda)". Carmem nunca foi capaz de enganar o imposto de renda. Por volta de 1992, a Receita começou a ... e os credores reaveram o Ford Mustang. O chefe de contabilidade da Wittek suspendeu o cartão de crédito de Carmen. E ela o demitiu... 

Ford dispensa Wittek; credores cobram o devido

Wittek começou seu segundo ano em Galesburg cortando sua relação com a Ford, seu maior cliente e a fonte de 35 por cento de sua receita bruta. Apesar da Ford ter abandonado a braçadeira post (post clamp), ela ainda usava cinco tipos de braçadeiras fabricadas pela Wittek. A Ford, assim como as outras duas montadoras americanas, queria simplificar a quantidade de fornecedores utilizados por carro. Montadoras tinham sobrevivido por muito tempo convencendo os fornecedores a bater o preço dos outros, mas os custos para se manter nesse tipo de jogo eram altos. Menos fornecedores significavam menos ferramentas - o custo de produção mais caro na linha de montagem.

Com o propósito de manter uma única fonte de fornecimento, a Ford tinha que garantir que o seu fornecedor fosse financeiramente sólido e capaz de fazer entregas sem riscos de atraso que poderiam comprometer (parar) a sua linha de montagem. Assim, em janeiro de 1992, a Ford enviou seus representantes até Carmem com um pedido de preenchimento de 95 páginas uma declaração de divulgação financeira. “Ela ficou furiosa” disse Tulin, ex-gerente de controle de qualidade. “Ela disse: Não é da conta (palavrão) de ninguém como eu administro a minha empresa!”

Ela enviou para Ford o pacote com a declaração. Evidentemente, Carmem esperava que a Ford, que já havia comprado 3 milhões de braçadeiras da Wittek por ano, voltaria rastejando concordando com os condições colocadas por ela, mas apesar das tentativas de outros funcionários da gestão para melhorar a relação, a Ford não aceitou. A Wittek demitiu 100 trabalhadores naquela semana. Os rumores se espalharam no mundo dos negócios, e a GE (General Elétrica) e Whirlpool também pararam de comprar da Wittek. “Nós não percebemos o tipo de coisa que esses relatórios financeiros poderiam mostrar” disse Tulin. “Não havia a menor possibilidade dela admitir ou falsificar o que vinha acontecendo.” Os números mostravam que, em parte graças aos gastos de Carmem, a empresa  operava no vermelho desde junho de 1991 e que não pagara [RM1] [RM2]  mais de 70 credores[...]. Ela manteve os olhos dos curiosos fora de seus livros e manteve a imagem de que Wittek ainda era sólida. Percebendo a traição, Carmem despede o pessoal.

Mesmo se não tivesse problemas financeiros, os problemas já se delineavam. Os equipamentos da Wittek eram literalmente antigos, eles estavam produzindo a mesma braçadeira desde 1930 para uma indústria que não precisada mais delas. "Você costumava ter 22 braçadeiras de mangueira sob o capô de um carro", diz Thorne Gould, presidente da Murray Corp, uma empresa de braçadeira em Baltimore. "Hoje em dia você vai encontrar pelo menos quarto delas." "O foco de hoje é sobre melhores conexões dentro das mangueiras e da braçadeira de tensão constante, um conector de mola com memória desenvolvido pelos concorrentes europeus da Wittek. Gould diz que a CTC é mais caro e não é tão confortável como um grampo típico screw-driven," Mas a qualidade da instalação é mais uniforme ", diz ele." E isso faz toda a diferença do mundo ". "Cheguei lá e demiti todo mundo", lembra Carmem. "Eu tive que administrar a empresa sem ninguém. O advogado, o diretor de produção, todo mundo se foi." Em 31 de março de 1992, a Wittek processou quatro ex-funcionários por suposta conspiração para assumir a empresa, e solicitou na justiça 5 milhões de dólares por danos.

"Nas últimas duas semanas que passou sozinha no comando, vários fornecedores cruciais ameaçaram parar de fornecimento para empresa; inúmeros clientes retiveram os pagamentos, um cliente de longa data cancelou sua ordem para comprar bens, e um dos bancos encerrou a sua conta com a empresa ", diz o processo, "Com base nas informações e crenças, todos estas ocorrências são conseqüência de ações dos réus. Se não forem detidos, os esforços dos réus vão destruir a Wittek". Na audiência preliminar no Tribunal do Condado de Knox em Galesburg, o juiz Daniel Roberts admitiu ter sido tendencioso e, provavelmente, predisse o futuro, quando ele disse: "Meu objetivo final é manter Wittek no negócio. Precisamos desse negócio. Mas eu não sei se que pode ser feito."


Nós não descontamos cheques da Wittek!

Os rumores de dentro da Wittek se espalharam pela cidade. Alguns ouviram a Serviço de Imigração e Naturalização também estavam investigando a empresa. Outros pensavam que Carmem estava no comando de um cartel de drogas. Funcionários Wittek tiveram problemas para alugar apartamentos. Em vários bancos locais cartazes diziam: "Nós não descontamos cheques da Wittek". Os funcionários tinham que correr depois do trabalho para os bancos que ainda aceitavam descontar cheques da Wittek, com o propósito de serem os primeiros a descontá-los enquanto ainda havia dinheiro na conta. Enquanto isso, Hedges contatou o FBI, que disse que não haver nenhuma investigação ocorrendo.

Uma semana após o processo aberto pela Wittek acusando funcionários de conspiração, 50 funcionários da Wittek participaram de uma reunião do Conselho da Cidade Galesburg e pedindo que os rumores acabassem. A empresa, na ocasião, contava com apenas 200 funcionários contra um pico de quase 500. O Prefeito Kimble disse que a cidade não poderia fazer nada sobre questões privadas das empresa, a menos que violassem as leis municipais. Mas não foi como Kimble respondeu privadamente. Pelos últimos 13 meses Kimble tinha sido pago como agente de seguros da Wittek, um valor de 1.000 dólares por mês. Poucos dias antes dos funcionários da empresa aparecerem diante dele na reunião do Conselho da Cidade, ele terminou a conta por falta de pagamento do prémio. "Eu desejaria que eu não tivesse me envolvido nisso", Kimble diz hoje. "Isso me permitiu testemunhar em primeira mão sobre a má gestão de Carmen Viana, o desvio de fundos que tinham um propósito para outro que não se destinava, etc..." Ele ainda mantém versão a que suas ações foram éticas.

Viana 'incontrolável' Hedges pula do barco

Mais ou menos nessa época Hedges começou a procurar um novo emprego, porque ele não podia mais­­ lidar com Carmen. "Ela tinha seus próprios métodos de transformar a empresa, a maioria dos quais tinha a ver com os rituais. Rituais e mentir para todos ", disse ele. "Levei cerca de seis meses para descobrir isso, e mais 10 meses para sair de lá." Ele diz que as ações de Carmen não eram apenas um show. "No micro sentido, ela poderia ter as coisas feitas. Ela poderia obter um empréstimo do banco First Illini Bank, mas ela não podia, colocar essas coisas juntas no senso macro.", disse Hedges. "Ela era incontrolável." Hedges disse que resolveu sair da empresa depois que ele descobriu que Carmem estava empregando seus parentes brasileiros sem a documentação necessária para imigração, e que suas orgias de cartão de crédito eram ilegais e nunca foram declaradas para a Receita do Estados Unidos.

Mas o momento decisivo foi quando ele e sua esposa estavam na casa de Carmem para um jantar. Naquela noite, Hedges disse que tomou um rumo errado ao banheiro e acabou no quarto principal. O quarto estava vazio, exceto por um altar, algumas estátuas e três punhais cravados no piso de madeira. - "Haviam pedaços de papel em cada um dos punhais, e as bordas do papel estavam queimadas"-  disse ele agora. - "Mas eu pude ver que estava escrito em cada um dos pedaços de papel. E eu fui até lá e olhei para os punhais e eram os nomes dos réus no processo" -  Hedges se demitiu em 10 de Junho de 1992, citando - "diferenças filosóficas" - O Vodu, uma religião comum no Brasil, parecia chocante para a cidade de Galesburg. Na época, um jornal local perguntou a Carmem se ela já havia praticado - "Eu gostaria que eu tivesse praticado" - respondeu ela, -"Assim haveriam muitas pessoas coaxando em torno da cidade" -


Parte Três da Reportagem, original em Inglês:

Reportagem Parte 3:

Advogado George Hook entrou em cena na Wittek no fim de semana posterior a saída do vice-presidente executivo Jay Hedges. George pensou que poderia salvar Carmen e a Wittek dos conspiradores que ela dizia estarem minando as operações da empresa. Hook era um advogado de Chicago. Ele estava na Knox Collegeem Galesburg, onde conheceu Carmem em uma festa após a graduação na faculdade da turma de 1992. "Lembro-me do dia em que ele veio até mim e disse: 'Você está muito alinhada hoje. Quem é seu advogado?" Eu disse, 'Ninguém' ", lembra Carmem. "Eu ainda era a pequena menina de Galesburg".
Ela pegou o cartão dele. Logo depois, Hook deixou sua posição respeitada e segura em McBride Baker e Coles em Chicago, e montou um negócio por si mesmo, a fim de tornar-se o advogado de Viana e da Wittek, uma opção arriscada.

Um consultor financeiro independente disse à Carmem que na Carolina do Norte a pensão da Wittek tinha sido sub-financiada, por isso ela e Hook agendaram uma reunião com Drake Boutwell, seu ex-colega, especializado em Seguro de Aposentadoria para Empregados (Employee Retirement Income Security Act) Leide 1974. A Lei ERISA determina quais investimentos podem e quais não podem ser feitos nos planos de previdência.

Carmen sugeriu para Drake que o dinheiro do plano fosse transferido para Wittek, e que a operação da Wittek poderia acumular os rendimentos do plano. Drake disse que a transferência de todo o dinheiro do plano para a Wittek seria contra a lei ERISA, mas que eles poderiam criar uma imobiliária e usar dinheiro das pensões para reformar a propriedade Pineville, vendê-la e tirar os lucros para financiar o plano. Hook e Carmen logo incorporam a Pineville Real Estate Operating Corporation e transferiram a propriedade Pineville da Wittekpara a PREOC (Pineville Real Estate Operating Corporation).

O banco Manufacturer' sem Detroit, o titular do plano de pensão, era inicialmente cético em relação a transferência de dinheiro plano para PREOC. Drake Boutwell enviou uma carta assegurando a legalidade da transação, dizendo que os fundos não seriam usados pela Wittek, e ele colocou Carmen como administradora do plano. O banco Manufacturer's exigiu que Carmen fosse substituída por um administrador institucional antes de passar todo o dinheiro para a conta de PREOC no banco Harris (Harris Bank), na cidade de Northbrook. Hook, então, escreveu uma carta ao banco Manufacturer's dizendo que o banco Harris aceitaria tutela do plano de pensão e forneceu o número da conta do administrador. Mas o tal acordo não foi feito com o banco Harris, Hook forneceu número da conta corrente da PREOC. Ao longo do verão de 1992 o banco Manufacturer's transferiu parceladamente um total 600 mil dólares do plano de pensão para o banco Harris, e Hook usou isso como garantia para empréstimos que depois eram transferidos para os fundos operacionais da Wittek.

No início de julho, o juiz Stephen Evans em Knox County rejeitou todas as acusações, menos uma, feita pela Wittek no processo que pedia 5 milhões dólares por conspiração. Em resposta, os quatro réus processaram de volta a Wittek (contra-processo) e o escritório de advocacia que a representava, o Grippo e Elden, por perdas e danos. Hook se juntou a Grippo e Elden representando a Wittek no caso civil.
Hook se tornou famoso por seus longos dias de interrogatórios, "Ninguém sabia onde George estava indo com sua cruz-exame", lembra o ex-prefeito Fred Galesburg Kimble. "Eu acho que algumas pessoas pensam que se você arrastar as coisas em processos judiciais tempo suficiente alguém vai resolver, mas não havia nada para resolver. Ele estava apaixonado."

Hook, que era casado na época, disse em uma entrevista recente que o seu interesse em Carmen era estritamente profissional. Ele também afirmou que a conspiração era real. Juiz Evans ficou a seu favor, rejeitando o contra-processo depois de um caso de 17 meses de duração.

Por causa de Carmen, a Wittek chega ao valor mais baixo

No final do verão de 1992, Hook se encontrava representando a Wittek e Carmem em mais de 80 processos e contra processos em todo os Estados Unidos. Vendedores processavam por contas não pagas. Locador em Galesburg processando a Wittekpor aluguel atrasado. Ex-funcionários na Carolina do Norte processado por salários atrasados e benefícios. O banco First Illini processado por sua garantia. A Receita Federal começou a colocar ônus sobre os equipamentos da Wittek.

Próximo ao verão de 1993 a Wittek parou de pagar seus funcionários. Alguns permaneceram trabalhando, outros deixaram o trabalho. Juanita Berry, uma das pessoas que pediram o termino dos rumores sobre a Wittek na reunião do Conselho da Cidade 15 meses antes, enviou uma carta ao jornal The Peoria Journal Star em julho de 1993. "'Dentro da Wittek virou como um necrotério. Não há máquinas suficientes trabalhando, ou pessoas suficientes para classificar o lugar como uma fábrica aberta", ela escreveu.

"Desde o mês de maio, houve a promessa de pagar aos seus empregados. Na sexta-feira, a promessa era para a próxima terça-feira. Na terça-feira, para a próxima sexta-feira. De vez em quando eles mudavam o dia para segunda-feira. No entanto, todos estes dias de promessas passaram sem nenhum sinal de folha de pagamento, exceto para o pagamento parcial de uma pequena lista de selecionados. O filho do dono levava-os poucos escolhidos para o supermercado para comprar em seu cartão de crédito. Cinqüenta dólares em três datas indeterminadas durante as últimas nove semanas, cerca de 2 dólares e 38 centavos por dia. Isso não dá nem pra comprar feijão direito, muito menos um tempero para cozinhá-los."

Logo depois, o Departamento do Trabalho do estado de Illinois processou a Wittek para pagar o atrasado para 139 funcionários, valores variando de 15 dólares e 23 centavos até 7 mil 333 dólares. O Estado também pediu 150 mil dólares em danos. Um por um, Carmen despediu seus vice-presidentes restantes, e seu filho de 21 anos de idade, Giovanni assumiu suas posições. Os trabalhadores demitidos da Wittek tinham a opção de ficar e pagar para a companhia de seguros no âmbito do plano COBRA. A Wittek aceitou os pagamentos COBRA, mas nunca repassou para a companhia de seguros, o que os ex-trabalhadores só descobriram depois que a companhia de seguros se recusou a pagar as contas do hospital. Em 12 de outubro de 1993, a companhia elétrica, Illinois Power, desligou toda a energia do endereço 519 McClure St. por causa de contas pendentes, totalizando 55 mil dólares.

Quando o repórter local John Pulliam chegou para entrevistar Carmen no dia seguinte, ele encontrou seis carros no estacionamento e as portas da fábrica bloqueadas. Mesmo nos níveis mais baixos da Wittek, Carmen ainda tinha uma recepcionista, que usava um casaco e luvas, porque o edifício estava muito frio por falta energia para o aquecimento. "Havia luz suficiente vindo da janela do escritório de Carmen para fazer a entrevista ", lembra John, atual editor de negócios do The Register-Mail. "Ela ainda dizia que tudo culpa do IP, que tudo isso é um grande engano, um grande mix-up, e IP estava lá fora para pegá-los também."

Na tarde seguinte, o Departamento de “Segurança” do Condado de Knoxentrou nos escritórios da Wittek.
"É hora de sair, Sra. Viana", disse um oficial entregando uma ordem de despejo. Depois de um julgamento de 15 meses, o locador tinha ganhado uma ação judicial para alugar volta por 725 mil dólares. Uma multidão de moradores curiosos e jornalistas, cumprimentaram os sete empregados que restaram na fábrica quando eles saíram. Carmen foi a última a sair. O departamento de segurança trocou as fechaduras e trancou as portas. "Estamos indo para a corte de apelação", Carmen disse quando saiu. "Vamos para o Supremo Tribunal. Estou indo para a Comissão de Direitos Civis!"

Carmen Viana, indiciada por acusações Judiciais

Dois anos depois, em 1995, o governo dos Estados Unidos indiciaram George Hook e Carmen Viana por quatro acusações de lavagem de dinheiro, três acusações por fraude eletrônica e três acusações por roubo do um plano de benefícios para seus empregados. O banco Manufacturer`s notificou o Ministério do Trabalho quando descobriu que a transferência dos fundos de pensão, feita por Hook, para o banco Harris era ilegal. Com a Wittek faliu, Hook e Carmen foram incapazes de reembolsar os empréstimos que tinham como garantia o dinheiro do fundo de pensão da Carolina do Norte. O banco se apropriou do dinheiro dado como garantia, deixando o fundo vazio.

Hook participou da audiência preliminar, mas Carmen, que não era vista há um ano e meio, não apareceu. A maioria presumiu que ela tinha voltado para Brasil, onde a Constituição proíbe a extradição de seus cidadãos. Hook se declarou inocente. Ele representou a si mesmo com a ajuda de outro advogado em julgamento federal que durou quatro semanas. Como em muitos casos Wittek em KnoxCounty, ele se concentrou em detalhes mínimos não relacionados, e longos interrogatórios de testemunhas, como Jay Hedges. No segundo dia de interrogatório de Hedges, Hook perguntou a ele, "Não é verdade que você teve um caso sexual com Carmen Viana?"

"Eu apenas ri", disse Hedges. "Não era embaraçoso. Não era nada mais do que uma risada. E eu disse: 'Não Sr. Hook, isso não é verdade", Hook ainda estava apaixonado, disse Hedges. Hook também foi considerado culpado e foi para a cadeia pelos os próximos sete anos.
Carmen: 'Eu não fugi!'

Carmen Viana agora vive hoje entre as palmeiras e a areia branca imaculada do Rio de Janeiro. Ela concordou em dar uma entrevista em um restaurante egípcio exótico no lado rico da cidade.
Ela ainda se adorna com roupas pretas elegantes e saltos caros, embora hoje em dia eles sejam de bico aberto e mais baixos que os antigos saltos 12. Seu cabelo, puxado para trás em seu coque habitual, é todo cinza. Tal coisa teria preocupado Carmen que foi para Galesburg há 16 anos. "Eu era uma mulher durona com muita coragem, que acreditava em honestidade, e quando você faz isso, Deus irá te recompensar", disse ela.

Carmen está amargurada em relação ao tempo que passou nos Estados Unidos. "Quando eu vi o filme O Advogado do Diabo , eu pensei que era a imagem da América. O advogado: Ele te seduz para então levar sua alma embora". Viana vive no Rio desde que deixou os Estados Unidos no início de 1994. "Eu não fugi. Eu não fugi. Eu percebi que eles iam cortar minha orelha fora por isso", disse ela. "Eu estava tão comprometida com a empresa e com as pessoas que vinham em meu escritório todos os dias dizer: 'Você tem que nos salvar Dr. Carmen. Nós estamos morrendo de fome. Nós vamos morrer. Então eu não fugi. Isso era baboseira. Eles mancharam meu nome".

Ela disse que não sabia que o governo iria indiciá-la.

"Eu não sei nada sobre os planos de pensão. Como eu poderia saber? O que eu sabia era sobre sutiãs, calcinhas, roupas íntimas e trajes de banho. Eu não sabia nada sobre indústria de automóvel. Muito menos sobre a lei de pensão, muito menos sobre a lei ERISA. Era uma lei muito específica". Viana disse que só soube que algo errado tinha acontecido quando escritório de advocacia de George Hook a chamou em uma reunião urgente. "Eles disseram, 'Ops. A transação que você fez foi uma transação ilegal".

Carmen mantém a versão de que ela descobriu sobre o mandado de prisão quando ela solicitou um passaporte no Brasil. "Eles disseram: 'Você não pode sair para nenhum lugar. Você tem um mandado de prisão expedido pela Interpol." Isso é baboseira. Nunca matei ninguém, nem roubei ninguém".

Carmen Viana é hoje uma consultora espiritual...

De volta no Brasil, Viana iniciou um novo negócio. Ela construiu uma carreira de aconselhamento espiritual, uma continuação do seu hobby em Galesburg. "Eu sou um meta-física (physicist), e estou interessada em outro tipo de realidade", disse ela. "Para onde vai a alma? O que é tudo isso? Por que vamos para o inferno? Existe inferno?" Carmen disse que ela ajuda a curar seus clientes através da espiritualidade. Ela tem visões que são provadas uma semana depois pelos que estão na vanguarda da ciência. Ela diz, por exemplo, que ela viu World Trade Center em chamas terça-feira antes do 11 de Setembro de 2001.

Por final, Carmen se diz contente, "eu moro em um país lindo. Tenho uma vida muito boa, vivo perto do mar, meus clientes me amam e meu trabalho é muito respeitado devido às milhares de publicações em jornais, revistas e matérias de TV sobre ele", disse ela, inclinando-se para trás e segurando sua taça de vinho depojadamente. "E Galesburg perdeu. Portanto, houve justiça depois de tudo, certo?".


Isto encerra uma série de três partes, que foi originalmente publicada na nossa edição impressa 03 de Dezembro, 4 e 5, de 2006. A série foi fornecida ao The Register-Mail por Devin Hogan através KnoxCollege e seu departamento de jornalismo.


[Acréscimo, as desventuras de um Repórter Americano no encalço de Carmen Viana]

"Então, você quer saber o por que eu passei por maus momentos no seu país?", Carmen Viana me pergunta bem diretamente. Eu engulo seco e digo qualquer coisa submissa como: "Sim, senhora". Carmen estabelece sua personalidade dominadora surpreendentemente rápido. Alguns dizem que a primeira etapa de lidar com Carmen Viana é o medo absoluto. E eu concordo. Foi assim que a entrevista começou no Brasil em novembro de 2005. Eu tinha lidado com Carmen durante várias semanas antes desta reunião, cada telefonema era estressante e assustador como foi nossa reunião pessoalmente.

Na verdade, a primeira coisa que Carmen me disse foi se eu iria machucá-la. Eu estava me esforçando para ouvi-la em um telefone público na Argentina, eu não entendi nada daquele jeito estranho de começar uma conversa. Carmen tinha todas as vantagens - ela não era obrigada a se encontrar comigo, ela estava segura do governo dos EUA. Logo percebi que essa mulher, cujo sucesso é baseado em uma série de imagens falsas, estava dando um Show. Carmen nunca foi rica, pelo menos não enquanto viveu em Galesburg. Mas usando os cartões de crédito da empresa ela vestiu a personagem.

Apesar do que poderia parecer, ninguém mais do que Carmen queria que a Wittek sobrevivesse. Sem a companhia, ela perdeu sua fonte de poder - a imagem do CEO de sucesso. Sem essa imagem para me intimidar, Carmen precisava de opções para afirmar sua dominância. Já que o seu jogo sensual não iria funcionar por telefone, nunca se importando com a diferença de idade. Então ela disse que eu iria machucá-la, como fez o resto de Galesburg. O que me colocou na defensiva. Agora eu era o antagonista, e eu estava morrendo de medo. Esse era o nosso relacionamento por telefone. Eu tive que rastejar para Carmen, para alimentar seu ego, e eu tive que passar por uma série de testes para provar que eu não era um espião: Ela ligou para sua ex-secretária em Galesburg pela primeira vez em 13 anos (secretária que eu já conhecia), para checar se eu era quem dizia ser.

Carmen exigiu detalhes sobre meu projeto, e uma vez por semana eu deveria ligar para mantê-la informada. Eu era sempre atendido bruscamente, então eu resolvi enviar um e-mail. Mas não obtive nenhuma resposta. Carmen é notoriamente paranóica e com justa causa. Ela está em fuga do governo dos EUA. Mas Carmem Viana claramente gostava de seu jogo comigo. Ela tinha esse infeliz garoto americano dançando em círculos por ela, só porque ela podia. Carmen finalmente concordou em se encontrar comigo no Rio de Janeiro, se eu lhe dei todas as informações do hostel que ficaria hospedado com antecedência, então eu fui encontrá-la.

"Para enviar um assassino?" Eu escrevi no meu diário. Eu tinha sido advertido antes de fazer a viagem. "Por favor, tenha em mente que há envolvido um elemento de risco, e uma história de violência física", escreveu meu professor em um e-mail. Mas eu ainda voei para o Brasil, e esperei, e esperei...

Carmen não ligou para o hostel (albergue) apesar de ter prometido ligar. Então eu liguei para ela, e ela não atendeu. Eu liguei mais três vezes naquele dia. Tornou-se um ritual. Todos os dias durante uma semana, eu acordava, colocava meus chinelos Havaianas e andava dois quarteirões para o conjunto de telefones públicos próximos à praia de Ipanema. Apesar da prevalência telefones pagos no Rio de Janeiro, a maioria não funciona. Eu passaria o resto do meu dia tentando encontrar um telefone que funcionasse, ligava para Carmen, e ela não atendia. Depois do sétimo dia, eu bati o telefone com força de tanta frustração e me dirigi com raiva para o albergue. Eu estava para embarcar para os Estados Unidos no dia seguinte, e minha chance de conhecer Carmen estava acabando.

Fui direto para o telefone numa rua barulhenta. À espera de uma pausa no tráfego, eu disquei o número do celular de Carmen. Ela atendeu. "Olá Devin, eu estou planejando encontrar você hoje à noite em um shopping chamado Downtown na Barra da Tijuca." As luzes piscavam e os motores cuspiam fumaça em mim. "O quê?" Eu grito. Eu mal podia ouvi-la. A Barra da Tijuca é a parte mais “chique” do Rio de Janeiro. "Há um Cinemark no meio do shopping", ela me disse. "Há um telefone público em frente ao Cinemark, me ligue de lá às 8 horas". Depois de um banho rápido eu peguei um táxi para a melhor parte da cidade. Passamos por palmeiras, cercas altas do centro da cidade e pelos portões do shopping.

E lá estava eu sentado no chafariz em frente ao Cinemark, olhando para o orelhão que eu costumava chamar de Carmen. Ela ligou vinte minutos atrasada. Ela pediu para que eu me descrevesse (longos cabelos loiros, calça cáqui, e uma camisa bonita), e eu fiquei imaginando se ela não estaria escondida no segundo andar com um sniper (franco-atirador), focando seu alvo em mim. Ou talvez ela só estivesse próxima observando se eu não estaria fazendo a mesma coisa. Uma mão nos meus ombros, "Devin?"

Eu me viro e vejo uma mulher velha. O cabelo de Carmen (em seu habitual e apertado coque) era todo cinza, e as sobrancelhas tingidas. Alguém pode pensar que o estresse de ser uma fugitiva internacional a nocauteou, mas eu sei que isso não é verdade. Carmen perdeu sua beleza há muito tempo, mantendo se artificialmente por dizer às pessoas que ela tinha sido uma rainha da beleza. Ela me levou ao Sharmel-Sheikh, um restaurante egípcio com hookah (narguilé), almofadas, uma música egípcia inebriante completada pela exóticas sitar e berrantes. "Eu só quero que você escreva a minha própria Boa Vontade. Só quero a verdade", disse ela. Eu disse alguma coisa sobre objetividade e ela me deu uma olhada do tipo: "eu estou lendo sua mente, e posso saber que você está mentindo".

Eu tive que encontrar Carmen pessoalmente para entendê-la. Tudo que eu tinha era a percepção sobre ela em Galesburgque acabaram por construir nada mais que uma caricatura. Na medida que a entrevista avançava, no entanto, Carmen manteve jorrando truísmos e gracejos de cinema americano. "Charlie Sinto muito." Mais de três eventos significativos aconteceu com Carmen em "um dia lindo." Ela jurou um monte.
Na primeira hora da entrevista, percebi que Carmen é realmente uma caricatura. Seu inglês é construído a partir de peças da cultura americana que escoam para o resto do mundo, como Clint Eastwood e Jerry Springer. Como Carmen foi para Galesburg antes do poder da Internet, ninguém poderia seguir o seu passado. Carmen adaptou o filme a sua própria vida. Mas ela acabou se perdendo na trama.

Passei a maior parte da entrevista tentando entender sua estranha e complexa história cheia de mistério e engano. Eu sabia metade do que era dito era mentira, mas eu ainda tinha um desejo de impressioná-la.
Eu também tive que afastar as suas tentativas de me comprar. No meio do jantar ela me ofereceu um óleo de orquídea negra, ela disse "pra você dar pra sua namorada" (que eu não tinha). Eu recusei educadamente, mas ela me deu mesmo assim. Você não pode dizer não a Carmen Viana. Lentamente, durante a entrevista o medo transmutou-se em uma sensação estranha e finalmente eu relaxei. Quando Carmen parou de ser agressiva, tudo o que ela dizia tornou-se reconfortante, quase como uma tia legal que te levava para o zoológico quando você era criança.

A capa de "Big Pimpin", de Jay-Z vem ao longo dos alto-falantes, a melodia tocada por sitaras. "Eu poderia facilmente ter pago um cara na rua 50 dólares para atirar na sua cabeça", disse ela. "Mas eu acabei escutando meu coração." Eu sabia que ela era exibicionismo, mas eu realmente fiquei agradecido que ela não tenha enviado um assassino. No final da noite, ela disse: "Se eu soubesse que você não era um espião, você poderia ter ficado na minha casa." Ela convidou e eu e meus pais para ficarmos em sua casa da próxima vez que eu fosse ao Rio de Janeiro. E pensei que seria uma boa idéia. Eu me dei conta de que Carmen acabara de me convencer que seria uma boa idéia ficar em sua casa. Eu estava tão ocupado com a distração de evitar que ela me comprasse com presentes que não percebi que eu já estava comprado. Então Carmen Viana entrou em um táxi e desapareceu na abafada noite brasileira, misteriosa como sempre.




Marcos da Silva Vieira é um agente do FBI (esse nome é falso), caço os inimigos dos EUA pelo mundo, armando emboscadas, ciladas, indo atrás de criminosos, e os levando a justiça, luto a favor dos interesses dos EUA, e da cidadania norte americana. Sirvo ao meu Pais com Orgulho e honestidade com a certeza que faço o melhor, pelo melhor pais da Terra.